O Projeto Agricultura Comunitária, apoiado pela Suzano Papel e Celulose na Bahia, atingiu nos primeiros cinco meses deste ano uma produção superior a 480 toneladas de alimentos em diversas comunidades, incluindo Bela Vista, Cravilina, Igrejinha, Juerana, São José e Taquari. O volume é praticamente idêntico ao total de alimentos produzidos durante todo o ano passado, quando o projeto gerou uma receita de mais de 830 mil reais aos produtores.

A iniciativa tem como objetivo fortalecer o desenvolvimento local e gerar renda complementar, além de contribuir com a melhoria na qualidade de vida e garantir a segurança alimentar para as famílias participantes. Atualmente, o Agricultura Comunitária envolve 209 famílias e cerca de 836 beneficiários indiretos, além do efeito multiplicador relativo à produção e ao comércio dos produtos agrícolas.  São esses participantes que, a partir de um modelo inovador de desenvolvimento comunitário participativo, determinam os próximos passos do projeto.

“Este é um modelo sustentado no desejo da comunidade de discutir caminhos em prol do desenvolvimento regional. E nós, na Suzano, temos a vontade de estimular projetos participativos, por isso há grande interesse em promover especialização de qualidade para essas comunidades, de forma a contribuir com uma nova fonte de renda e qualificação”, afirma Alexandre Di Ciero, Gerente Executivo de Gestão da Sustentabilidade da Suzano Papel e Celulose.

Os participantes recebem treinamentos teóricos sobre temas diversos, principalmente em relação às atividades que serão executadas, tais como plantio, adubação, tratos culturais e comercialização do que é produzido. A Suzano também fornece aos participantes os insumos necessários e concede em comodato áreas para a produção agrícola, que já somam cerca de 73 hectares de plantio.

Nesse modelo de parceria, a Suzano também promove ações de apoio à venda direta desses alimentos. Eles são vendidos aos colaboradores da empresa através de feirinhas sustentáveis, realizadas dentro das unidades da companhia, e desde abril deste ano são usados nas refeições preparadas nos restaurantes das fábricas da Suzano. A venda dos alimentos, neste caso, é feita diretamente à empresa responsável pelas refeições na Unidade Mucuri. Também há venda direta ao grande público, via pontos fixos de comercialização localizados dentro das comunidades.

“Vemos esse projeto como uma iniciativa que beneficia todos os envolvidos. As famílias passam a ter uma renda complementar, a região ganha com a geração de novos negócios e a distribuição de renda, os colaboradores passam ater acesso a produtos de qualidade e o meio ambiente é beneficiado a partir de capacitações em uso consciente dos recursos naturais”, explica Di Ciero.

Entre os resultados alcançados com o Projeto Agricultura Comunitária estão a melhora na qualidade de vida da comunidade, o maior senso de união entre os beneficiários, que através das associações estão formalmente organizados, e o fortalecimento da aptidão agrícola na região.

Comentários no Facebook