sábado , 22 julho 2017

Lucas Bocão poderá ter que escolher entre ser vice-prefeito ou deputado estadual

bocaod1-1200x545_cO radialista Ubiratan Lucas Rocha Matos, o “Lucas Bocão”, 43 anos (PV) que se transformou em uma das mais importantes lideranças políticas da região e acaba de ser eleito vice-prefeito de Teixeira de Freitas, talvez nem assuma o cargo, já que ele está a um passo de ter que escolher entre a ser vice-prefeito ou assumir a vaga de deputado estadual aberta a partir de janeiro de 2017.

Entenda

O deputado estadual Jânio Natal (PTN) foi eleito no último dia 2 de outubro, prefeito pela terceira vez do município de Belmonte, na foz do rio Jequitinhonha, no extremo sul baiano. Ele venceu as eleições com 40,42% dos votos, obtendo 4.896 votos – com 503 votos de frente do seu principal opositor, o também ex-prefeito Ledo Elias (PP) que obteve 36,26% com 4.393 votos.

Jânio Natal foi eleito deputado estadual para o seu terceiro mandato na Assembleia Legislativa da Bahia nas eleições estaduais de 2014 pela coligação “Juntos Somos Fortes” formada pelos partidos PPS, PSDC, PTC, PV, PRP e PT do B, quando obteve 35.421 votos. Com a sua eleição para prefeito de Belmonte, a partir de 1º de janeiro, abrirá uma vaga de deputado estadual pela sua coligação e o 1º suplente terá que ser chamado para ocupar o cargo.

O 1º suplente é o jornalista e apresentador de Tv, Uziel Bueno Barbosa de Santana Junior, 39 anos, que em 2014 foi candidato a deputado estadual pelo PTC e obteve 29.378 votos. No último dia 2 de outubro, ele concorreu pelo seu atual partido (PTN) a uma vaga para a Câmara Municipal de Salvador e obteve 5.573, ficando na primeira suplência da sua coligação. Mas o jornalista Uziel Bueno talvez não consiga assumir a vaga de deputado estadual porque possui um processo na Justiça Eleitoral que deve ser julgado até 19 de dezembro de 2016 e caso ele seja condenado, ficará impedido de assumir o cargo. Tanto que como candidato a vereador de Salvador nas eleições deste mês, ele teve a candidatura indeferida pela Justiça Eleitoral e uma liminar do TRE/BA., expedida no último dia 21 de setembro permitiu que ele disputasse a eleição “sub judice” (aguardando julgamento do mérito).

Caso o jornalista Uziel Bueno fique realmente impedido juridicamente de assumir a vaga de deputado estadual que será deixada por Jânio Natal – o 2º suplente será convocado que é o médico Joaquim Belarmino Cardoso Neto, 54 anos,  que em 2014, foi candidato a deputado estadual pelo PTC e obteve 26.942 votos. Mas, no último dia 2 de outubro, realizou o sonho de se eleger prefeito da sua cidade natal Alagoinhas pelo Democratas, obtendo 25.684 votos (34,25%) contra 18.890 votos (25,19%) da sua principal opositora Sonia Fontes (PSB). E Joaquim Neto já informou que não assumirá o cargo de deputado estadual porque optará em administrar o município de Alagoinhas.

Então a vaga será do 3º suplente – neste caso, a vaga será do radialista teixeirense Lucas Bocão (PV), que em 2014 foi candidato a deputado estadual pelo PTC e obteve 22.597 votos. Mas no último dia 2 de outubro, ele foi eleito vice-prefeito de Teixeira de Freitas na chapa com Temóteo Alves de Brito (PSD) com 29.603 votos (40,77%) – obtendo uma vantagem de 5.632 votos à frente do seu segundo colocado que é o atual prefeito João Bosco (PT) que obteve 33,01% com 23.971 votos.

Mas, caso a justiça realmente impeça o jornalista Uziel Bueno na qualidade de 1º suplente de assumir a vaga – Lucas Bocão terá que decidir se seguirá para Salvador para assumir a cadeira de deputado estadual ou se permanecerá como vice-prefeito de Teixeira de Freitas. No entanto, tudo também vai depender da segurança jurídica que ocorrer no julgamento do processo de Uziel Bueno, porque mesmo ele perdendo o processo jurídico e ficando impedido de assumir a vaga o seu processo poderá permanecer passivo de recurso e, desta forma, assumir a vaga fica frágil para quem vem da suplência na sequência de Bueno. E para Lucas Bocão é arriscado trocar o certo pelo duvidoso.

E, além disso, se cogita que o deputado estadual e prefeito eleito de Belmonte Jânio Natal Andrade Borges, 62 anos (PTN), deva permanecer como deputado estadual e deixará a Prefeitura de Belmonte para o vice-prefeito, que é o seu próprio irmão Janival Andrade Borges, 60 anos (PTN). Jânio Natal disputou a eleição com o seu irmão na vice e juntos venceram o pleito.

A alegação com a eleição de prefeito de Jânio Natal, é que a região da Costa do Descobrimento ficaria sem uma representação na Assembleia Legislativa e era melhor ele permanecer como deputado estadual. Já o município de Belmonte passaria a ser administrado pelo seu irmão que sempre foi o seu braço direito. De acordo correligionários do deputado estadual Jânio Natal, há uma tese de que os prefeitos e os habitantes da região do alto extremo sul ficariam “sem voz” no parlamento baiano, caso Jânio assuma a Prefeitura de Belmonte.

O deputado estadual Jânio Natal não tem negado esta possibilidade de abrir mão do Poder Executivo Municipal de Belmonte para seu irmão e prefere não falar deste assunto agora. Caso isso aconteça, todo o processo precisa ocorrer no dia 1º de janeiro de 2017. No dia 31 de dezembro de 2016, Jânio Natal não apresentaria a sua renúncia na Assembleia Legislativa da Bahia. Na manhã seguinte, em 1º de janeiro de 2017, ele e o irmão tomarão posse como prefeito e vice-prefeito de Belmonte após a posse dos 11 vereadores.

Ainda no mesmo dia 1º de janeiro, Jânio Natal teria que renunciar do cargo de prefeito antes da meia noite, sob a legítima alegação que não poderá administrar o município porque não renunciou ao seu mandato de deputado estadual. Daí a Câmara Municipal convocaria o vice-prefeito Janival Andrade Borges para ser empossado em definitivo prefeito de Belmonte. E Jânio Natal permaneceria deputado estadual (caso a manobra política seja realmente possível).(Por Athylla Borborema).

Além disso, verifique

Acidente com ônibus deixa ao menos dez mortos na BR 418 no Vale do Mucuri

Um grave acidente com um ônibus de viagem deixou ao menos dez pessoas mortas na …

Comentários no Facebook