terça-feira , 25 julho 2017

Foi por pouco! Meteoro de 18 metros de diâmetro cai a mil quilômetros da costa do Brasil, segundo Nasa

meteoroUma grande bola de fogo entrou no planeta Terra e caiu no mar. O objeto possuía mais de 14 mil toneladas de TNT (medida utilizada para medir o poder de explosão de bombas atômicas, e no caso foi equivalente a bomba de Hiroshima) e caiu no Oceano Atlântico, mais ou menos a mil quilômetros da costa brasileira, segundo a Nasa. A agência espacial americana também ressaltou como esse tipo de impacto é comum, e ocorre “várias vezes ao ano”.

Segundo a Nasa, esse foi o maior corpo celeste a atingir a Terra, desde que uma objeto similar atingiu a cidade russa de Chelyabinsk, deixando 1.600 feridos. Mas o objeto russo era 40 vezes maior e causou muito estrago. Além dos objetos que caem na Terra, existem meteoros gigantes que passam “raspando” pelo planeta

Todo ano é a mesma coisa: vários rumores envolvendo o fim do mundo se espalham pela internet com a finalidade de espalhar o terror – ou apenas viralizar. Mas este ano um asteroide realmente pode significar uma ameaça ao planeta! O 163899 (também chamado de 2003 SD220) vai passar muito perto da Terra na véspera de Natal, podendo causar tremores e até mesmo despertar vulcões!.

No dia 24, o asteroide – que tem cerca de 2,5 quilômetros de diâmetro – vai passar a cerca de 11 milhões de quilômetros de distância do planeta, mais de 28 vezes a distância entre a Terra e a Lua. Mesmo assim, já seria o suficiente para causar impactos gravitacionais no planeta. Certas localidades ao redor do globo conseguiriam sentir tremores causados pela movimentação acelerada das placas tectônicas, o que também seria responsável por acordar vulcões adormecidos. Ele só poderá ser visto, porém, através de telescópios.

A Nasa afirma que não há perigo na passagem do asteroide, embora, com seu tamanho, um impacto com o planeta poderia significar a extinção de continentes inteiros. Ele passará na noite do dia 24 e voltará a passar pela órbita terrestre em 2018 – mais uma vez sem representar ameaça alguma..

A Nasa acompanha de perto quase 13 mil objetos que orbitam, mesmo que de longe, a Terra. Desses, 1.607 são considerados potencialmente perigosos..
Em setembro, um meteoro também passou bem perto de colidir com a Terra. A ameaça que acabará com a vida no planeta seria um asteroide que iria atingir a Terra entre os dias 21 e 28 de setembro. Os dados da pesquisa foram pesquisados por Efrain Rodriguez, que enviou seu estudo para a agência espacial americana, a Nasa.

A previsão de Rodriguez bate com a “profecia da Lua de Sangue”, que marca a última das quatro “luas de sangue” no dia 28 de setembro: é dito que um desastre é eminente quando um eclipse lunar seguido de seis luas cheias acontece. Rodriguez teve uma visão de um asteroide “entrando no espaço aéreo da cidade de Arecibo no Porto Rico e atingindo o mar entre a ilha de Mona e Mayaguez, sendo o pivô de um terremoto de magnitude 12”.

Como a profecia deixou muita gente preocupada, a Nasa correu para desmentir tudo. Um representante da agência americana disse que não tem nenhuma chance de um objeto acertar a Terra pelo próximo século.

Ele ainda completou dizendo que não existe nenhuma base científica, ou evidência, que aponte para um asteroide vindo em direção a Terra. Mas antes disso, em março, a humanidade sofreu um susto parecido. Acreditava-se que objeto gigantesco chamado 2014-YB35 passaria terrivelmente perto do planeta no dia 27 de março. A notícia provocou temores de uma catástrofe mundial. O gigante tinha mil metros de largura e estaria sendo arremessado em direção à Terra a uma velocidade absurda.

Especialistas preocupados disseram que, embora pequenos meteoritos muitas vezes passem, a queda de um corpo deste tamanho não acontece há 5.000 anos. A colisão com a Terra causaria uma explosão equivalente a 15 mil megatons.

A tragédia poderia desencadear mudanças irreversíveis no clima, e terremotos e tsunamis que poderiam levar à erradicação da humanidade. Astrônomos avisaram que era apenas uma questão de tempo até que um asteroide colida com o nosso planeta. Bill Napier, professor de astronomia na Universidade de Buckinghamshire, disse: “Com algo como o YB35 temos que ficar preparados para uma escala de destruição global, o que representaria um risco para a continuação do planeta. Cometas ainda menores poderiam causar danos irreparáveis. Impactos menores ainda poderiam destruir cidades e redes de comunicação” .

O perigo é real: asteroides grandes já causaram impactos gigantescos na Terra, confira algumas das crateras mais incríveis presentes na superfície do planeta. O professor Napier ainda disse: “O risco real é de que cometas possam gerar uma nuvem enorme de fumaça com consequências extremamente significativas. Não há absolutamente um risco real e se você olhar para a história, há relatos de incêndios nos céus”. Especialistas da Nasa também relataram que o enorme pedaço de rocha passaria dentro de 2.800 mil milhas – uma pequena distância no espaço – da Terra no dia 27 de março.
O cofundador do Dia do Asteroide, que foi comemorado dia 30 de junho, Grigorij Richter, advertiu que existem milhares de asteroides que poderiam “destruir a vida”.

Richter afirma que uma colisão destruidora pode destruir não só os seres humanos, como toda a vida no planeta Terra. “Só um asteroide pode destruir completamente a vida – não apenas a humanidade, mas todas as espécies.”

Ao longo do ano foram diversas notícias dizendo que asteroides e meteoros iriam se chocar contra a Terra – por sorte nenhum deles acertou o nosso planeta! Será que em 2016 haverão mais corpos celestes ameaçando a vida terrestre?

Com informações do Portal R7

Além disso, verifique

Conflito no mar da Bahia tem novo capítulo após Fibria não cumprir acordo com pescadores artesanais

No dia 01 de Julho informamos  sobre um conflito envolvendo a papeleira Fibria Celulose e pescadores …

Comentários no Facebook