sábado , 22 julho 2017

Protesto contra privatização do Saae termina com prisões em São Mateus

wilians becker

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado (Sindaema), Fábio Giori Smarçaro, e o militante Willians Becker foram presos na noite dessa terça-feira (8), em São Mateus (norte do Estado), por protestarem na Câmara de Vereadores contra a aprovação, sem debate popular, do projeto que privatiza o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) no município. O pedido, como denunciam, partiu do presidente da Casa, Gildevaldo Estevão Bispo (SDD).

 

Embora não tenham resistido à prisão, os dois foram algemados e levados em camburão até a delegacia, onde passaram cerca de cinco horas. A execução da prisão foi feita por policiais do Grupo de Apoio Operacional (GAO), sob alegação de “atrapalharem a ordem”. Fábio e Willians terão, agora, que responder a processo criminal no juizado especial de São Mateus.

Giori conta, no entanto, que antes mesmo de começar a sessão ordinária, já havia um clima de repressão ao ato, que até então consistia em apenas colar cartazes e realizar panfletagem para alertar a população sobre a questão.
O sindicalista relata que passaram a sofrer intimidações e ameaças por parte de seguranças dos vereadores e de Uarlan Fernandes (PCdoB), que relatou os projetos (nº 23/2015 e nº 24/2015) que permitem a concessão do Saae e a criação da Agência Reguladora de Serviços Públicos de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário.
A polícia logo foi acionada e determinou que eles retirassem os cartazes, depois, permaneceu no local.
Fábio e Willians, então, foram para a sessão com os cartazes em mãos. Após o início dos trabalhos, já com os ânimos exaltados, houve tentativas de deslegitimar o sindicato, troca de críticas, e tratamentos do tipo “cala a boca”. Incomodado com a presença dos militantes, o presidente solicitou a prisão dos manifestantes, o que foi prontamente atendido pelos policiais do GAO.
“Uma atitude antissindical e antidemocrática, de um grupo de vereadores que não aceita ser criticado nem tem compromisso com a população”, disparou o diretor do Sindaema.
Os militantes protestavam contra a aprovação, há uma semana, dos projetos que permitem a privatização do Saae em São Mateus, atendendo aos interesses do prefeito Amadeu Boroto (PSB). “É preciso resgatar o debate sobre esse a medida irresponsável dos vereadores”, afirmou Giori.
Segundo ele, a matéria não constava em pauta e passou pela Casa “a toque de caixa”, descumprindo uma medida anterior aprovada pelos próprios vereadores em plenário, que determinou a realização de audiência pública sobre o caso, para que a população entenda o processo, tire dúvidas e apresente sugestões, o que é obrigatório por lei.
Nove dos onze vereadores votaram a favor da privatização. Eneas Zanelato (PT) foi o único a se posicionar contra e o relator apresentou seu parecer e se retirou do plenário durante a votação. Na noite dessa terça, o petista foi o único a comparecer à delegacia para apoiar os militantes.
A entidade aponta ainda que o vereador Uarlan Fernandes (PCdoB) ignorou a orientação deZanelato, que preside a Comissão de Obras, Urbanismo e Infraestrutura, para que não enviasse seu parecer antes da discussão das matérias com uma assessoria técnica, considerando a complexidade do assunto. Zanelato conseguiu por meios próprios esse apoio técnico e marcou a reunião para esta quarta e quinta-feira (9 e 10). No entanto, foi ignorado pelo relator.
O Sindaema lembra que a única audiência realizada pela gestão de Amadeu Boroto“padece de nulidade”, já que ocorreu às 14 horas, horário de expediente, e em dia útil, impedindo a ampla participação dos moradores. O MPES também não foi convocado para o debate.
Na última quinta-feira (3), o Sindaema protocolou representação no Ministério Público em São Mateus, apontando as irregularidades do processo. A entidade quer cancelar a votação que aprovou os projetos.
Fonte: seculodiario

Além disso, verifique

Acidente com ônibus deixa ao menos dez mortos na BR 418 no Vale do Mucuri

Um grave acidente com um ônibus de viagem deixou ao menos dez pessoas mortas na …

Comentários no Facebook