quarta-feira , 26 julho 2017

Caixa Econômica Federal segue no topo de reclamações de usuários

caixa-economica-0051A Caixa Econômica Federa liderou em novembro, pelo quinto mês consecutivo, o ranking dos bancos com maior número de reclamações de usuários. De acordo com o levantamento do Banco Central, o índice de reclamações da Caixa subiu de 11,09 para 12,57. Em outubro, o banco também havia liderado as queixas.

O número reduzido de funcionários pode ser um dos fatores que contribuem para a redução da qualidade nos serviços. Em 2003 a Caixa tinha 335 clientes para cada empregado. Já no primeiro semestre deste ano, esta proporção passou para 778 clientes por trabalhador.

Na segunda posição no ranking, aparece o Bradesco, com índice de queixas de 9,17, com 705 reclamações. O Itaú/Unibanco manteve a terceira posição, com 537 reclamações e índice de 9,01. Na quarta posição está o Santander, com 237 reclamações e índice 7,1. Fechando o ranking dos cinco primeiros está o Banrisul, com 5,7 e 22 reclamações.

Além de não contratar os aprovados em concurso público, a instituição ainda colocou em prática em 2015 o Plano de Apoio à Aposentadoria (PAA), que resultou em aproximadamente três mil desligamentos. Estas vagas, que ficariam liberadas para que os aprovados assumissem, serão eliminadas sob a alegação que atenderiam às adequações da Lotação Autorizada de Pessoal (LAP) e foram autorizadas para atender ao limite imposto pelo Ministério do Planejamento.

A eliminação dos postos de trabalho era justamente o temor dos candidatos aprovados no último concurso para o banco e que ainda aguardam nomeação. Somente no Estado, 605 aprovados no último concurso para a instituição aguardam nomeação, enquanto em 2014 houve desligamentos do banco em função do PAA.

Com o reordenamento dos postos de trabalhos, o número de empregados da Caixa cai para 97 mil. No Acordo Coletivo 2014/2015 havia autorização para o banco ter 103 mil empregados, número já considerado insuficiente para atender à atual demanda.

Para o Sindicato dos Bancários do Estado (Sindibancários-ES), a medida de reduzir os postos de trabalho equipara a Caixa à lógica dos bancos privados, que perseguem o lucro em detrimento da saúde dos funcionários e da qualidade do atendimento prestado. O déficit de trabalhadores resulta na sobrecarga de trabalho que, somada à pressão por metas, acaba por adoecer os bancários da instituição.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) demandou que a Caixa Econômica apresentasse um cronograma de contratações dos aprovados no concurso público realizado em 2014 ou um estudo em que dimensione as contratações a serem feitas até dezembro deste ano ou junho de 2016.  Em resposta, o banco afirmou mais uma vez que não fará novas contratações.

Além disso, verifique

PM flagra grupo traficando drogas durante evento festivo em Nova Viçosa

Neste domingo, dia 23 de julho, no circuito da Festa da Baleia, em Nova Viçosa, …

Comentários no Facebook