segunda-feira , 26 junho 2017

Prefeito de São Mateus, Amadeu Boroto é denunciado por pagamento de super-salários

Amadeu BorotoO Ministério Público Estadual (MPES) protocolou, nessa quarta-feira (18/11), uma ação de improbidade contra o prefeito de São Mateus (região norte), Amadeu Boroto (PSB), pela concessão de “ajuste salarial descomunal para alguns servidores”.

Além do socialista, a promotoria denunciou outras cinco pessoas, todos funcionários públicos, que tiveram os vencimentos reajustados em até 380% por meio de decreto. O órgão ministerial pediu à Justiça o bloqueio dos bens de todos os envolvidos, além da suspensão imediata dos pagamentos indevidos aos servidores.

Na denúncia inicial (0009767-97.2015.8.08.0047), o promotor Edilson Tigre Pereira narra que o município editou várias leis, alterando o enquadramento dos servidores no plano de carreira.

No caso mencionado na ação, o prefeito editou decretos pela concessão de estabilidade financeira aos servidores denunciados (Joelma Pinheiro Barcellos, Messias Cardoso, Antônio Luiz Cardoso, Jânio Martins de Santana e Leonilza Cunha Santos), utilizando referências antigas, de forma desigual em relação aos demais trabalhadores.

A ação cita que apenas um dos servidores denunciados (Jânio) tinha como salário-base em janeiro de 2010 o valor de R$ 1,15 mil, mas que chegou a ganhar no período entre outubro daquele mesmo ano e fevereiro de 2011 a bagatela de R$ 4,25 mil, uma diferença superior a R$ 3 mil, equivalente a 380%.

Esse mesmo servidor, de acordo com o MPES, chegou a receber em um período R$ 6,1 mil mensais por conta dessa diferença salarial graças à estabilidade concedido. Essas diferenças teriam sido encontradas na ficha salarial dos quatro demais servidores denunciados.

“Observa-se também uma disparidade enorme nos reajustes dos vencimentos dos requeridos em relação a outros servidores. Está cristalino o dolo (culpa) do primeiro requerido [Amadeu Boroto] ao conceder um ajuste salarial descomunal para alguns servidores e dolo dos demais requeridos que receberam os grandes reajustes e ficaram silentes para locupletarem-se ilicitamente”, narra um dos trechos da ação, que tramita na 1ª Vara Cível de São Mateus.

Entre os pedidos da ação, o MPES pede a concessão de liminar pela indisponibilidade dos bens de todos os denunciados, bem como a suspensão dos reajustes concedidos aos cinco trabalhadores. No mérito do caso, o órgão ministerial quer a condenação de Amadeu Boroto e demais envolvidos às sanções previstas na Lei de Improbidade, qual seja a suspensão dos direitos políticos, ressarcimento do prejuízo ao erário, além do pagamento de multa civil. Os pedidos de liminar ainda serão apreciados pelo juízo.

Além disso, verifique

Polícia Federal afirma que Temer cometeu obstrução de justiça

Em relatório enviado nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia Federal afirma que …

Comentários no Facebook