sábado , 22 julho 2017

Lama atinge reserva de desova de tartarugas-gigantes e se aproxima de São Mateus

lama valeMesmo com a ação de ambientalistas, que tentaram salvar as tartarugas em Regência, Linhares, na região Norte do Espírito Santo, por meio da retirada dos animais, os berçários de caranguejos e de peixes, conhecidos como igarapés, foram atingidos pela lama barrenta que chegou à região.

A primeira tentativa de ambientalistas para evitar essa situação foi barrar os resíduos com a instalação de 9 quilômetros de boias na região, há aproximadamente uma semana. Na ocasião, a mineradora informou que tal medida reteria até 80% dos resíduos, o que não aconteceu.

No entanto, segundo o chefe da Reserva de Comboios, Antônio de Pádua Almeida, os ninhos das tartarugas que estavam próximos à foz do Rio Doce foram retirados previamente, para que a lama não os atingisse, mas a chegada dos rejeitos à parte norte da reserva ameaça outros ninhos.

“Conseguimos retirar os filhotes que nasceram e os soltamos em outro ponto no mar como medida de emergência, mas não sabemos se eles serão ou não contaminados. Se o grosso dessa lama vier e ficar depositado tanto na foz quanto nas praias, não sabemos o impacto que vai trazer para a biodiversidade”, disse Almeida.

Aves mortas

Em Regência, no litoral de Linhares, onde fica a foz do Rio Doce, a lama com rejeitos de minério continua provocando estragos na região e afetando diretamente a biodiversidade. Além de dizimar quase três toneladas de peixes ao longo do Rio Doce e afetar caranguejos da espécie Guaiamum, ameaçados de extinção, a lama agora pode estar contribuindo para a morte de dezenas de aves migratórias.

Nos últimos três dias, 13 aves conhecidas como “andorinhas do mar” foram encontradas mortas na foz do Rio Doce. Técnicos do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos estão percorrendo a faixa de areia e recolhendo os animais.

Somente na manhã desta quinta-feira (26), a equipe da TV Vitória/Record flagrou outras três andorinhas do mar mortas. Uma delas, inclusive, estava com identificação na pata, colocada provavelmente por algum pesquisador.

E por conta da lama no mar, as praias de Linhares continuam interditadas. Além das praias de Regência e Povoação, que já estavam indisponíveis para banhistas, agora é Pontal do Ipiranga que está interditada.

Lama se espalha

O município de São Mateus, no norte do Estado, pode ser a próxima região a ser atingida pela lama com rejeitos de mineração que desaguou no litoral capixaba, no último fim de semana, na localidade de Regência, em Linhares, onde fica a foz do Rio Doce.

De acordo com a secretária de Comunicação de São Mateus, Sandra Pacheco, os resíduos de minério já estão a cerca de 15 km de Urussuquara e Barra Nova, que são regiões de manguezais e onde muitas pessoas dependem deles para sobreviver.

A secretária informou ainda que a prefeitura já entrou em contato com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Seama), Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e Defesa Civil estadual para saber como agir quando a lama chegar.

De acordo com o Iema, no sobrevoo realizado por técnicos do instituto nesta quinta-feira (26) foi identificado que a onda de lama deslocou-se aproximadamente 10 quilômetros ao sul, 6 quilômetros ao leste e 22 quilômetros ao norte da foz do Rio Doce. Segundo o Iema, o deslocamento dos resíduos recebe influência do comportamento das ondas e da direção do vento e, portanto, é difícil prever para onde a lama seguirá e quais pontos ela pode atingir.

Mesmo que os rejeitos de minério cheguem a São Mateus, eles não devem interferir na captação da água, já que o município é abastecido pelo Rio Cricaré. No entanto, o fornecimento de água no município está sendo feito por carros-pipa, já que o Rio Cricaré está salgado por conta da invasão da água do mar.

Segundo a prefeitura, isso ocorre porque, com a falta da chuva, o nível do rio está mais baixo do que o normal e, quando a maré enche, a água do mar acaba invadindo. Sandra Pacheco informou que atualmente o Rio Cricaré está registrando 5 gramas de sal por litro, quando o limite permitido é 0,25.

Segundo a prefeitura, por conta do problema no abastecimento de água, a agricultura de São Mateus está sendo seriamente afetada. A secretária disse que o prejuízo do setor no municipio é de R$ 235 milhões e que alguns bancos estão convocando os agricultores para renegociar as dívidas.

Indenização

Pescadores cadastrados na Federação das Colônias e Associações dos Pescadores e Aquicultores do Espírito Santo (Fecopes) entraram na Justiça com um pedido de liminar para que sejam mensalmente indenizados pela Samarco, cujos donos são a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton. Um audiência de conciliação foi agendada para o dia 2 de dezembro. Em nota, a Samarco informou que ainda não foi notificada da intimação citada.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Além disso, verifique

Conflito no mar da Bahia tem novo capítulo após Fibria não cumprir acordo com pescadores artesanais

No dia 01 de Julho informamos  sobre um conflito envolvendo a papeleira Fibria Celulose e pescadores …

Comentários no Facebook