segunda-feira , 27 março 2017

Espírito Santo é o terceiro estado com maior número de homicídios sem solução

homicidio-carapinagrandeO Espírito Santo ocupa a terceira colocação no ranking entre os estados brasileiros com o maior número de casos de homicídios, ocorridos até 2007, sem solução. De acordo com o “Inqueritômetro”, disponível no site do Conselho Nacional do Ministério Público, o Estado possui 3.604 inquéritos, abertos até dezembro de 2007, ainda não resolvidos. Somente o Rio de Janeiro, com 18.365 inquéritos, e Minas Gerais, com 5.793, possuem mais casos de homicídio, nesse período, sem solução.

O dirigente do Centro de Apoio Criminal do Ministério Público do Espírito Santo (MPES), promotor Pedro Ivo de Sousa, explica que o número de inquéritos não resolvidos no Estado ainda é alto por causa da grande quantidade de casos que foram registrados nesse período.

“Se olharmos por um outro ângulo, percebemos que o Espírito Santo é o segundo estado que mais solucionou inquéritos de 2010 para cá. Saímos da casa dos 16 mil casos não resolvidos e estamos hoje com pouco mais de 3 mil. Ainda não é motivo de comemoração, mas já estivemos em situação muito pior no passado. Há pouco tempo, éramos o estado onde mais se matava no Brasil”, ponderou.

Segundo o Inqueritômetro, o Espírito Santo atingiu 77,7% da Meta 2, da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), que prevê a conclusão dos inquéritos sobre homicídios instaurados no país até dezembro de 2007. Oito estados brasileiros já conseguiram alcançar 100% dessa meta: Acre, Amazonas, Amapá, Ceará, Pará, Piauí, Roraima e Sergipe.

Sobre os casos de homicídios cujos inquéritos foram instaurados em 2008 e 2009, o Espírito Santo aparece na quarta e quinta colocação, respectivamente, entre os estados com maior número absoluto de investigações concluídas. “Fizemos um trabalho excepcional a partir de 2010, quando as metas foram lançadas para resolver os inquéritos do passado, e hoje estamos entre os estados que mais concluíram os inquéritos”, ressaltou Pedro Ivo.

O promotor explica que são vários os fatores que dificultam o andamento de um inquérito sobre homicídio. “Às vezes precisamos de mais atividades de investigação. A vizinhança, muitas vezes, sabe o que aconteceu, mas não sabe tudo. Além disso, temos problemas com as provas periciais. Então depende muito de cada caso. Melhoramos muito desde 2010, mas ainda temos muitas dificuldades”, reconheceu.

Além disso, verifique

MANOELZINHO

Manoelzinho concede aumento superior ao piso nacional aos professores de Nova Viçosa

O prefeito de Nova Viçosa, Manoel Costa Almeida, o “Manoelzinho da Madeira” (DEM), concedeu nesta …

Comentários no Facebook