segunda-feira , 27 março 2017

Estudantes fazem manifestação em São Mateus contra Escola Viva

protesto sama escola vivaNo terceiro dia de ocupação da Superintendência de Educação de São Mateus, o movimento estudantil mateense fez duas manifestações nesta quarta-feira (9) na cidade contra a implantação do projeto Escola Viva, à revelia da decisão da comunidade escola

O primeiro protesto aconteceu na entrada da escola Marita Motta, que foi escolhida pela Sedu para abrigar o programa. A concentração de alunos foi pequena, mesmo assim atraiu a atenção da polícia, que acompanhou o protesto de perto.
À tarde, a manifestação ganhou as ruas do Centro de São Mateus e reuniu mais estudantes do que a primeira manifestação. Professores e alunos do turno da noite também aderiram ao movimento e não deve haver aulas nesta quarta-feira (9).
Segundo o secretário da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Mateus (UMES), Pedro Evêncio, os estudantes vão permanecer na Superintendência. Isso porque não havia sinalização da Sedu para abrir uma rodada de negociação, mas as movimentações fizeram efeito e à tarde. O subsecretário de Estado de Administração e Finanças, Eduardo Malini, se manifestou. Ele marcou uma reunião com os estudantes para a próxima segunda-feira (14), às 11 horas. Diante da sinalização do subsecretário, os estudantes realizam na noite desta quarta-feira uma plenária para decidir se haverá desocupação da Superintendência até segunda-feira, data da reunião, ou não.
A conversa com o subsecretário foi articulada pelo secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Roberto, que conversou com estudantes nesta terça feira 8 de dezembro, a partir daí houve uma tentativa de desocupação da Superintendência.
A tentativa consistiu em fazer com que os estudantes acreditassem que diante do encaminhamento com Paulo Roberto não haveria motivos para continuar o movimento.
Nesta quinta-feira (10), o movimento estudantil promove um grande debate no auditório da Escola Marita Motta, a partir das 18 horas. A intenção é chamar a comunidade escolar para debater o Escola Viva, os motivos da recusa do programa e como a mudança para a escola em tempo integral afetaria a comunidade escolar.
Fonte Seculodiario

Além disso, verifique

MANOELZINHO

Manoelzinho concede aumento superior ao piso nacional aos professores de Nova Viçosa

O prefeito de Nova Viçosa, Manoel Costa Almeida, o “Manoelzinho da Madeira” (DEM), concedeu nesta …

Comentários no Facebook