quarta-feira , 18 janeiro 2017

Mucuri: APROVADAS 4 MOÇÕES DE PESAR PELO FALECIMENTO DE MORADORES DO MUNICÍPIO

sivaldA Sessão da Câmara desta terça-feira (17) registrou em ata quatro Moções de Pesar pelo falecimento de conhecidos moradores do Município, no decorrer de outubro. Foram se seguintes:

MOÇÃO DE PESAR Nº 002/2015: autoria de todos os Vereadores

Falecimento de SIVALDO CLEMENTE DOS SANTOS, um dos primeiros moradores de Itabatã e conhecido líder comunitário do distrito.

JUSTIFICATIVA

Em 1971, quase 44 anos atrás, quando Itabatã não passava de um pequeno arraial de poucas casas, localizado às margens da recém-construída rodovia BR-101, um cidadão chamado Sivaldo Clemente dos Santos, vindo de Jordânia, onde nascera – cidade localizada no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais –, decidiu fixar moradia, trabalhar e criar raízes no município de Mucuri. No dia 31 de outubro, sábado passado, veio a súbita notícia de seu falecimento, para a tristeza de uma comunidade que, hoje, é uma das que mais crescem no extremo sul da Bahia.

Nascido em 2 de agosto de 1940, “Sivaldão”, como ficou conhecido popularmente, precisou deixar sua cidade natal e viajar quase 500 quilômetros para encontrar o lugar que seria a sua terra, o seu abrigo, o seu espaço para a família e para a multiplicação dos amigos.

Foi um dos primeiros moradores do distrito. Trabalhou em serraria, com os conhecidos Antônio Carleto, Leonardo, Horácio, por muitos anos. Depois, atuou na carvoeira com seu amigo Clemente, o “Kelé”. De personalidade forte, distinguia-se por sua sinceridade, ou, como se diz, por “falar rasgado”, principalmente em sua “Rádio Arvoredo”, apelido da varanda de sua casa, rodeada de árvores, onde seus amigos o encontravam para falar de todo tipo de assunto, sendo o principal deles a política.

Sivaldão casou-se com Aristé Lima dos Santos; vieram os filhos: Marlene (já falecida), Pedro, Amélia, Lucilene, José Rivaldo (também falecido), Noel, Daniel, Silvaldo e Sandro; e depois, os netos: Moara, Gabriela, Eduardo, Ana Paula, Natália, Leticia, Danielly, Kaliston, Caroline, Hermógenes, Esdras, Matheus, João Lucas, Estela, João Felipe, Luísa e Mariana; e também os bisnetos Nataly, Gustavo e Maria Eloá.

Pessoa de grande liderança, formador de opinião, amigo, prestativo, mesmo com seu jeito peculiar de ser, baseado na franqueza, na postura firme diante de quaisquer situações.

Como parte integrante da história de Itabatã, a Câmara de Mucuri reconhece a sua importância dentro do contexto social e econômico do distrito, com reflexos positivos em todo o Município.

Ante o exposto, e atendidas as formalidades regimentais, solicita-se o registro em Ata desta Moção de Pesar, com envio de cópia à viúva, sra. Aristé Lima dos Santos, extensivo aos filhos.

MOÇÃO DE PESAR Nº 003/2015: autoria de todos os Vereadores

Falecimento de JOÃO CARMENTINO FONTOURA, conhecido agricultor do Município.

JUSTIFICATIVA

Há pessoas que se destacam na história de um município por sua simplicidade, exemplo de trabalhador e de pai de família. É nesse conceito que rendemos homenagem a João Carmentino Fontoura, agricultor, nascido no primeiro dia de janeiro do distante ano de 1933, apenas dois anos depois da lei que oficializou a denominação de Mucuri para o nosso Município, em substituição a São José de Porto Alegre, vigente desde 1769.

João Carmentino Fontoura foi, ao longo de sua trajetória de 82 anos de vida, uma testemunha da nossa história. Como homem do campo, teve papel importante em nossa economia durante décadas, quando a pecuária bovina, o cacau e a pesca eram os vetores principais, e mesmo depois da chegada da industrialização, no início da década de 1990.

Com residência na Rua Atlântica, 221, centro de Mucuri, casou-se com Rosa Gonçalves Fontoura. Dessa união, nasceram sete filhos: Nedilson, Lindoura, Adilson, Ademilson, Lindinalva, Adeilton e Arenildo.

Como parte integrante da história de Mucuri, este Poder Legislativo reconhece a sua importância dentro do contexto social e econômico do Município.

Ante o exposto, e atendidas as formalidades regimentais, solicita-se o registro em Ata desta Moção de Pesar, com envio de cópia aos seus familiares.

MOÇÃO DE PESAR Nº 004/2015: autoria do Vereador Edison Silva de Mattos

Falecimento de PASTOR JOSÉ GOMES DA SILVA, notável liderança evangélica do distrito de Itabatã.

JUSTIFICATIVA

No transcorrer de 25 anos, o pastor José Gomes da Silva notabilizou-se, foi admirado e respeitado como expoente do cristianismo em Itabatã, importante liderança evangélica à frente da Igreja Assembleia de Deus – Missão.

Nascido em 9 de outubro de 1927, faleceu no dia 1º de novembro, semanas depois de completar 88 anos de idade. Foi casado com Severina Lima da Silva, com quem teve nove filhos, dos quais três já faleceram. Os filhos vivos são: Demétrio, Dario, Leia, Lídia, Lúbia e Lúcia. A família cresceu com a chegada de 14 netos.

Pastor José Gomes veio morar em Itabatã em 1989, após residir por dois anos no distrito de Taquarinha. Foi um dos fundadores do Ministério Assembleia de Deus – Missão em Brasília/DF. Uma trajetória que marca nada menos que 68 anos como dedicado membro evangélico, desde 1947. Exerceu a profissão de pedreiro.

Pessoa bastante conhecida e respeitada por sua conduta e sua dedicação à família e à religião, Pastor José Gomes dedicou-se a transmitir a Palavra de Deus a um expressivo número de fiéis que levarão consigo os seus ensinamentos eternos. Sua ausência deixa desolados seus familiares, amigos e conhecidos. Foi o reflexo da família, deixando-nos o modelo de vida a seguir e um exemplo a imitar, através dos predicados que foram peculiares, como: Fé, Dignidade, Humildade, Fidelidade, Partilha, Aceitação, Comprometimento.

A Câmara de Mucuri reconhece a sua importância dentro do contexto social e religioso do distrito de Itabatã, com reflexos positivos em todo o Município.

Ante o exposto, e atendidas as formalidades regimentais, solicita-se o registro em Ata desta Moção de Pesar, com envio de cópia à Família Gomes da Silva.

MOÇÃO DE PESAR Nº 005/2015: autoria Vereador Vomberto Alves de Souza

Falecimento de SEBASTIÃO JOAQUIM ALVES, conhecido popularmente como “Tião Maia”, profissional da carpintaria no Município.

JUSTIFICATIVA

Fatos curiosos e lembranças importantes da história da cidade de Mucuri agregaram-se à historia de vida do cidadão Sebastião Joaquim Alves, popularmente conhecido como “Tião Maia”, um trabalhador que teve sua participação no dia a dia da comunidade.

Poucos dias antes de seu falecimento, no final de outubro, aos 92 anos de idade, Tião recordava-se de suas origens, dos seus pais Manoel Joaquim Alves e Rita Moreira Alves, na pequena comunidade rural de Córrego da Água Boa, adjacências do distrito de Itaúnas, município de Conceição da Barra/ES. Ainda criança, foi morar em Conceição da Barra, onde exerceu atividades como entregador de pão, carregador de água e ajudante de serraria, entre outras. Aos 16 anos, veio morar na comunidade de Barra Nova e, aos 18, fixou-se em Mucuri.

Sendo o cacau a principal base da economia do Município, Tião aprendeu a trabalhar na colheita e secagem do produto, até desenvolver a profissão de carpinteiro, revelando sua verdadeira vocação. Dezenas de casas localizadas na parte antiga de Mucuri, e que permanecem erigidas há mais de 60 anos, abrigando famílias há quase quatro gerações, tiveram as mãos habilidosas deste grande profissional da carpintaria.

Tião atuou como carpinteiro não apenas na construção de residências no centro da cidade, mas também em comunidades rurais do Município e até na vizinha cidade de Nova Viçosa. Era sempre requisitado, graças à fama de bom profissional. Além da edificação de casas, também produzia currais, barcaças, secadores etc.

Hoje, Mucuri tem várias pessoas que aprenderam o ofício graças aos ensinamentos de Tião, embora nem todas exerçam a profissão.

Na vida pessoal, tinha fama de “namorador”. Em recente entrevista concedida à imprensa local, admitiu que possuía um “jeito especial” que agradava as mulheres da época e fazia brotar muitas paixões. Mesmo assim, decidiu constituir família. Casou-se com Assunção Cundes dos Santos (já falecida), com quem teve dez filhos. Das novas famílias constituídas, vieram mais de 30 netos, quase 40 bisnetos e, segundo os cálculos de sua memória, 12 trinetos.

Com mais de 70 anos de idade, Tião ainda chegou a trabalhar como carpinteiro na Prefeitura, em reforma de móveis e outras atividades.

Cidadão, trabalhador, pessoa que merece nosso respeito, que fez história e ajudou a construir a Mucuri que tanto amamos. Por isso, a Câmara Municipal reconhece a sua importância dentro do contexto social do Município.

Ante o exposto, e atendidas as formalidades regimentais, solicita-se o registro em Ata desta Moção de Pesar, com envio de cópia aos seus familiares.

Além disso, verifique

ze-boi

Boa gestão garante mais um mandato de presidente de Ze Do Boi na camara de Mucuri

O vereador Jose Mendes Fontoura, o Zé Do Boi foi eleito para mais um mandato …

Comentários no Facebook