sábado , 25 março 2017

Metade do país acha que “bandido bom é bandido morto”

levantamentod-600x330“Bandido bom é bandido morto”. Essa é a percepção de metade da população das grandes cidades brasileiras, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira, 5. O levantamento, encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta que 50% dos 1.307 entrevistados em 84 municípios concordaram com essa afirmação, enquanto 45% discordaram.

Três por cento não concordam nem discordam e 2% não souberam responder a pergunta. Como a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou menos, há um empate técnico.

No Nordeste, há um desempate: 52% concordam e 44% discordam. Mesmo com a margem de erro, o percentual que aprova a morte de bandidos é superior. Em um recorte por gênero, 52% concordam e 45% discordam entre os homens. Já entre as mulheres há um empate técnico (48% a favor e 46% contra). A separação por faixa etária chama ainda mais a atenção. Enquanto a maioria dos jovens entre 16 e 24 anos (53%) discorda deste lema e 42% concorda, o cenário muda entre o público com 60 anos ou mais (65% são favoráveis e 30% contra).

Também há essa variação a depender da cor da pele dos entrevistados. Entre os brancos, 53% acham que bandido deve ser morto e 41% são contra. Já entre os negros, 50% discordam e 44% concordam com a morte de criminosos.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública avalia o resultado da pesquisa geral positivo, já que metade é contra essa afirmação. Portanto, para a entidade, há espaço para construção de políticas públicas.

Uma das mudanças possíveis seria na cultura de enfrentamento de criminosos de forma violenta. Para a instituição, a ideia de “bandido bom é bandido morto” fomenta a letalidade nas ações policiais. (A Tarde)

Além disso, verifique

acad7-1200x545_c

Academia Teixeirense de Letras celebra os 170 anos de Castro Alves e premia melhores poetas e cronistas em sessão solene memorável

A aTL – Academia Teixeirense de Letras celebrou o 170º aniversário de nascimento de Castro …

Comentários no Facebook